Presidente da ABAD, Emerson Destro, fala sobre o atual momento do Brasil

O atual cenário político e econômico, as perspectivas para o futuro e o Brasil pós-eleições. Estes foram alguns dos assuntos abordados em um bate papo entre a jornalista Cláudia Rivoiro e o presidente da ABAD, Emerson Destro. Ele também falou sobre a iniciativa e os frutos das reuniões e encontros do Comitê do Canal Indireto. “Caminhamos para a terceira reunião e nesses encontros participam representantes e dirigentes das grandes indústrias, dos atacados e também consultorias. No primeiro encontro falamos sobre o cenário atual, no segundo sobre os caminhos e as transformações necessárias para o futuro do setor e no terceiro iremos abordar como chegar nesse futuro”, comenta Destro. O presidente da ABAD também falou sobre a importância da ética nos negócios e aproveitou para convidar a todos para participar da Convenção Anual da ABAD em 2019, com data marcada para 23 a 25 de abril, em Atibaia.

Notícias Relacionadas
1 comentário
  1. Luiz C. B. de Freitas Diz

    Sou Luiz C. B. de Freitas e tenho algumas ações que devemos tomar para recuperar nosso país da atual realidade econômica e financeira. O primeiro passo é punir todos os corruptos, não apenas com cadeia, mas com corte dos direitos políticos de votar e ser votado para qualquer cargo publico, mesmo na fase de análise da constatação. A segunda medida seria de promover, incentivar o aumento de produção e de produtividade em todas as esfera. A terceira medida seria primeiramente de reduzir os altos rendimentos no setor publico, incluindo no sistema empresarial, executivos, legislativo e judiciário. Limitar ao máximo de 30 salário mínimos por individuo. Fixar seus rendimentos em Salários Minimos, cujos ajustes serão pelo aumento do fixado para o Salário Minimo. A quarta medida, seria de promover de reduzir os custos em todos os setores da sociedade. A quinta medida seria de incrementar as atividades no campo da energia, da água potável, do transporte da população, da saúde, da educação.
    A sexta medida seria de incentivar as comunidades a terem suas associações para poderem debater seus pontos fortes e fracos, realizarem grupos de trabalho para execução das tarefas aprovadas. A sétima medida, seria os Estados pedirem auxilio ao Governo Federal, para reforço de caixa . A oitava medida, seria promover um trabalho com as prefeituras incentivando-as a aumentar suas ações em prol da melhoria social, na saúde, na educação, no transporte a população. A nona medida seria no campo do uso de energia e água potável, com redução de custos, redução do insumo pelas famílias.
    A décima medida seria de levantar todas as obras paradas, verificar suas finalidades, os custos de recuperação, as vantagens econômica advindas, definir prioridades e iniciar as recuperações.
    Pensem, debatem, promovão, as boas medidas.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.