A Revista de Negócios dos Atacadistas Distribuidores

Cinco passos para potencializar o frete do seu e-commerce

3

Por João Paulo Camargo*

 

Setor que segue em crescimento no Brasil mesmo com a crise econômica, o e-commerce também possui um ponto fraco: o frete dos produtos. O serviço é fonte de constantes reclamações dos usuários e representa um custo excessivo ao lojista. Uma pesquisa da ABComm (Associação Brasileira de Comércio Eletrônico) em 2015 mostra que o frete corresponde a 62,6% dos custos logísticos de uma loja virtual no Brasil. Contudo, o empresário pode adotar uma série de medidas para conseguir entregar os pedidos no prazo e condições adequados. Confira cinco dicas:

Ofereça métodos alternativos de entrega: os Correios são responsáveis por 73% das entregas realizadas pelas lojas virtuais brasileiras, de acordo com a ABComm – o que faz a remessa ficar sujeita às condições impostas pela estatal.  É bom ter opções e oferecer diferentes formas de entrega, como transportadoras privadas e o conceito de social delivery, que conecta pessoas a entregadores independentes, mediante aplicativo para smartphone.

Crie estratégias para o frete: no intuito de trazer mais consumidores, a grande maioria dos e-commerces aposta na distribuição de frete grátis. A tática funciona no início, mas depois pode comprometer a rentabilidade do negócio. O ideal é criar uma estratégia que leve em conta todos os fatores envolvidos na entrega de um produto e defina a melhor política para cada player.

Descubra regiões campeãs de vendas: uma ótima alternativa para otimizar o frete do comércio eletrônico é identificar as principais cidades que realizam pedidos dentro da página. Assim, é possível não só criar campanhas de marketing voltadas a esse público, como também ajuda a escolher locais de armazenamento mais próximos dos consumidores – diminuindo o tempo de espera pela entrega.

Utilize um sistema de gestão integrado: com esta solução, o empreendedor consegue acompanhar todos os processos que envolvem a área de logística do e-commerce, a fim de monitorar o trajeto do produto após a confirmação do pedido. O objetivo é reduzir os erros, pois uma simples falha vira uma bola de neve e pode culminar no atraso da entrega.

Antecipe-se à demanda: pode parecer difícil, mas hoje a loja virtual consegue prever a quantidade de pedidos que vai receber nos próximos meses. Dessa forma, é possível se programar para organizar o estoque de forma adequada, garantindo que os produtos com maior saída possam ser despachados rapidamente.

*João Paulo Camargo é CEO e Co-Fundador do Eu Entrego, um aplicativo que conecta pessoas e empresas à comunidade de entregadores independentes

Notícias Relacionadas

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.